terça-feira, 30 de julho de 2019

O que é análise preliminar de risco.


Conhecer os riscos presentes no ambiente de trabalho é essencial para identificar as medidas adequadas para mitigá-los, prevenir acidentes e, consequentemente, garantir a segurança e o bem-estar dos colaboradores. Por isso, é indispensável a realização da análise preliminar de risco (APR), principalmente quando a empresa está iniciando um novo projeto ou processo.

Além disso, vale lembrar que as normas regulamentadoras estabelecem a obrigatoriedade de realização da APR em algumas situações, como nos trabalhos em altura, em espaços confinados, em instalações e serviços de eletricidade, na construção civil, nos trabalhos com inflamáveis, equipamentos e máquinas etc.

Desse modo, é fundamental que o profissional de segurança do trabalho conheça essa análise e saiba realizá-la. Por isso, preparamos este post para você. Continue a leitura e descubra como deve ser feita a APR!

Entenda o que é análise preliminar de risco

A APR pode ser definida como um estudo prévio e detalhado sobre as etapas de cada operação ou processo. Sua finalidade é identificar os riscos presentes no ambiente de trabalho e as medidas a serem tomadas para neutralizá-los ou reduzi-los e, consequentemente, prevenir a ocorrência de acidentes.

A realização desse tipo de estudo teve origem no Departamento de Defesa dos Estados Unidos, onde foi desenvolvido com a finalidade de estabelecer medidas de segurança para o armazenamento, manipulação e transporte de mísseis militares.

Como essas atividades apresentam riscos elevados, foi necessária a realização de análises minuciosas para identificar medidas que pudessem prevenir acidentes, aumentar a segurança dos militares e reduzir perdas financeiras decorrentes de eventuais danos aos mísseis.

Conheça os objetivos da análise preliminar de risco

Como você viu, a APR tem como principal objetivo a identificação dos riscos existentes no local de trabalho e, a partir deles, as medidas mais adequadas para a correção de eventuais falhas e para a prevenção de acidentes.

Justamente por isso, deve ser realizada sempre que se inicia um novo projeto ou quando há a implementação de um novo processo. Diante disso, é possível dizer que a APR também objetiva:

- A sistematização e a organização das etapas das atividades laborais;
- A antecipação de problemas;
- O estabelecimento de procedimentos de segurança;
- O fornecimento de orientações aos colaboradores acerca dos riscos a que estão submetidos e dos procedimentos de segurança adotados pela instituição;
- A definição dos responsáveis pelas ações de segurança;
- A eliminação ou redução de falhas mecânicas e humanas.

Além de sua função eminentemente preventiva, a análise preliminar de risco é utilizada na elaboração do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA).

A APR também contribui para a identificação e escolha dos equipamentos de proteção individual (EPIs) mais adequados à realização de cada atividade laboral.

Veja como realizar a análise preliminar de risco

Apesar de não existir um modelo predefinido de APR para todas as atividades, é imprescindível que o profissional responsável pela elaboração do estudo observe algumas etapas. Confira quais são!

Reunir os colaboradores envolvidos na realização da tarefa

É fundamental que os líderes e demais colaboradores envolvidos na realização do projeto ou processo participem ativamente da confecção da APR. Afinal, ninguém melhor que eles para descrever o ambiente de trabalho e a forma como as operações são realizadas no dia a dia.

Por isso, a primeira medida a ser adotada pelo profissional responsável pela APR (engenheiro ou técnico de segurança do trabalho) é reunir todos os funcionários do setor para recolher o máximo de informações possíveis sobre a atividade laboral e as condições do local em que é desenvolvida.

Conhecer o ambiente de trabalho

Apesar de a opinião dos colaboradores ser muito importante, é indispensável que o profissional responsável pela APR visite o local de trabalho. Na ocasião, ele deve observar não só o ambiente, mas a forma como os trabalhadores realizam suas atividades para identificar eventuais falhas e os riscos existentes.

Fazer uma listagem dos riscos

Depois de conversar com os trabalhadores e visitar o local em que as atividades são realizadas, o profissional de segurança do trabalho precisa listar e classificar todos os riscos existentes no ambiente. Além disso, devem ser identificadas as causas de acidentes e os fatores de vulnerabilidade.

Identificar quem está exposto ao risco

Após a listagem dos riscos, é hora de descobrir quais são os trabalhadores, terceiros  e bens que estão submetidos às ameaças identificadas.

Fazer uma estimativa dos danos

Nessa etapa, depois de colher todos os dados, o técnico ou engenheiro de segurança do trabalho responsável pelo estudo deve fazer uma estimativa das consequências e dos danos de eventual ocorrência do perigo.

Identificar e implementar medidas adequadas para o controle de riscos

Outro ponto crucial da análise preliminar de risco é determinar quais ações de controle devem ser adotadas para mitigar riscos e prevenir acidentes no ambiente de trabalho.

Nessa etapa, além de identificar as medidas de proteção de cunho coletivo para a neutralização ou redução de riscos, o profissional de segurança do trabalho deve averiguar se os equipamentos de proteção individual fornecidos pela empresa são adequados ao desempenho das atividades e se estão sendo utilizados de maneira correta pelos colaboradores.

Ademais, é essencial delinear as ações a serem adotadas nos casos em que houver a ocorrência do risco. Essa medidas são importantes para a mitigação dos danos, ou seja, para que eventuais acidentes não tomem grandes proporções.

Cabe ressaltar, ainda, que nessa etapa deve ser atribuída a um funcionário de cada setor a responsabilidade de executar as ações preventivas e corretivas.

Como você pôde perceber, a APR é uma importante ferramenta de segurança do trabalho. Afinal, por meio dela os profissionais identificam os riscos presentes no ambiente em que as atividades laborais são desenvolvidas, bem como as medidas necessárias para mitigá-los e prevenir a ocorrência de acidentes.

Vale lembrar que este tipo de análise pode ser feita também por empresas com experiência e capacidade técnica neste tipo de consultoria em segurança do trabalho, como, por exemplo, a Conect. Portanto, para que as medidas de controle sejam efetivas, é fundamental que a análise preliminar de risco seja confeccionada por profissionais experientes de acordo com o perfil da empresa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário