quinta-feira, 24 de agosto de 2017

5 Passos para o Sucesso na Observação de Segurança do Trabalho



Uma empresa nunca irá conseguir alcançar a sustentabilidade da excelência nos resultados de segurança sem um processo estruturado que compreenda a exposição ao risco antes de ocorrer um acidente.

Para isso é importante que as organizações adotem um abordagem de coaching na segurança e montem uma estrutura da observação de segurança. Listamos cinco passos para o sucesso na observação de segurança do trabalho.

Passo 1:  Anunciar

O primeiro passo neste processo é fazer com que a pessoa que você tem a intenção de observar, saiba que você está presente.

É normal se perguntar “Se eles sabem que estou lá, eles provavelmente farão tudo certinho” Não seria maravilhoso? Pois bem, você deve se lembrar que um dos objetivos principais deveria ser ajudar os outros a criar novos hábitos, não estar ali para pegar um infrator.

Passo 2:  Observar

Depois que os colaboradores estão cientes que o gestor está observando os comportamentos, ele deve dedicar o seu tempo na tarefa principal de observação dos comportamentos. O que você irá procurar neles? A resposta idealmente é “O colaborador pode realizar a sua atividade de forma segura?” e “Eu estou observando algo que me preocupa?”

Existem alguns métodos para o procedimento de observação, são eles:

Vá para a ação;
Observe abertamente;
Observe centrado na situação;
Forneça feedback verbal;
Escreva os comentários;
Documente.

Passo 3:  Pergunte

Um dos principais aspectos de uma observação é determinar porque uma precaução foi tomada ou não. Esta ideia é um mecanismo efetivo que afeta as mudanças de comportamentos e prioriza iniciativas de melhoria.

É fácil se tornar complacente com uma tarefa executada frequentemente. É importante que o observado reconheça a racionalidade das decisões que ele faz tanto para aquelas que diminuem a exposição dos riscos, como também para aquelas que introduzem os riscos.

Se você observa uma precaução segura ou uma exposição ao risco, faça as perguntas mais apropriadas como:

“Por que você fez isso desta maneira?”;
“É este o jeito que você sempre faz?”;
 “Você se sente seguro fazendo isso?”;
“Existe uma maneira mais segura de fazê-lo?”;
“Você foi treinamento para fazer assim?”.

Passo 4: Reforce

As observações são oportunidades para apontar especificadamente os pontos positivos das coisas que as pessoas estão fazendo; de ênfase para os comportamentos seguros.

Você não está ali só para identificar culpados, o líder tem um papel importante no feedback, principalmente no positivo, assim ele encoraja novos comportamentos e hábitos seguros futuramente. A segurança não é a única responsável pela luta contra os acidentes, mas também o comportamento das pessoas perante a exposição dos riscos, fazer o que é certo é comprometimento!

Passo 5:  Expresse Preocupação

Quando o risco é identificado durante uma observação, a linguagem a ser utilizada como feedback é crítica. Se expressar demonstrando preocupação com o próximo é melhor do que dizer “você está em risco” ou “você não está seguro”.

Na observação você lida com confiança e respeito, portanto se o um observador demonstra preocupação de como a atividade está sendo realizada, isto oferece uma melhor resposta de quem está sendo observado. Lembre-se, você está lidando com pessoas! 

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Conheça os principais tipos de estilete profissional



O estilete é uma ferramenta utilizada para corte. Há três modelos de estilete profissional, que costuma apresentar um tamanho maior, um fio mais poderoso na faca e mecanismos de segurança mais rigorosos, já que o risco de corte também é maior.

Uma ferramenta diferenciada e que deve ser manuseada somente por quem realmente necessita desse tipo de precisão. Em geral, esta é uma ferramenta utilizada no artesanato, na costura, em reformas em geral e até na construção civil.

Profissionais eletricistas também podem optar pela compra de um estilete profissional ao invés de um amador, de modo a garantir mais facilidade no corte de fios e mais precisão no cotidiano do seu trabalho.



Estilete circular

O estilete circular, também chamado de compasso de corte, é um dos tipos pouco conhecidos. Excelente para o uso em artesanato e corte e costura, proporcionando cortes redondos com máxima precisão.

Estilete multiuso

O estilete multiuso se parece com o comum, encontrado em papelarias. Mas a semelhança está apenas na aparência, pois este modelo de estilete possui um excelente punho plastificado ou emborrachado, além de botões de segurança e lâminas bastante afiadas.

Esses tipos de estilete geralmente podem ser encontrados com lâminas dos mais diversos tamanhos. As mais finas são indicadas para trabalhos mais delicados ou que precisam se encaixar em espaços menores, enquanto as maiores garantem mais precisão em cortes realizados em materiais mais rígidos ou de maior tamanho.

Estilete tipo bisturi

Este tipo de estilete garante o máximo de precisão no corte. Entre todos os tipos de estilete, este é um dos mais perigosos no manuseio, já que realiza cortes pequenos e bastante profundos.

Cuidados com os estiletes

Somente profissionais habilitados devem utilizar estiletes profissionais e qualquer outro tipo de ferramenta de corte. Durante o manuseio, é preciso direcionar a lâmina para o lado contrário das mãos do operador, de modo a evitar acidentes graves.

Além disso, não deve ser aplicada força no corte com nenhum dos tipos de estiletes, já que isso pode prejudicar o fio da lâmina e ainda resultar em um corte pouco preciso. Para garantir traços mais retos, uma régua ou apoio pode ser utilizado.

Também é necessário trocar a lâmina sempre que ela apresentar pouco fio ou indícios de desgaste, como ferrugem. As lâminas devem ser sempre utilizadas de acordo com o tamanho do apoio e dependendo do grau do fio, deve-se apostar no uso de EPIs para ferramentas de corte.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Glossário: 5 Termos Fundamentais para a Segurança do Trabalho



A segurança do trabalho é um conjunto de medidas que visam a prevenção de acidentes, doenças ocupacionais e outras formas de danos à saúde do profissional. Para facilitar a compreensão de todos e promover a segurança dentro das organizações, foi desenvolvido um glossário que traz a definição de todos esses termos. Confira a seguir alguns dos principais termos técnicos que fazem parte desse material:


5 Termos Fundamentais para a Segurança do Trabalho


Acidente de trabalho

O acidente de trabalho pode ser entendido como aquele que acontece no exercício do trabalho ou no trajeto de ida e volta, causando lesão corporal ou perturbação funcional que podem levar a morte, perda ou redução permanente ou temporária da capacidade laboral do acidentado.


Adicional de insalubridade

O adicional de insalubridade é uma compensação paga aos trabalhadores que atuam em ambientes com presença de agentes nocivos à saúde, ficando expostos a riscos. Esse benefício é dividido em três graus:

40% de adicional sobre o salário para insalubridade grau máximo;

20% para insalubridade grau médio;

10% de adicional para grau mínimo.


Doenças ocupacionais

As doenças ocupacionais são aquelas que podem ser adquiridas e desencadeadas por conta das características da atividade profissional. É o caso, por exemplo, da perda da audição comum em motoristas de ambulância e profissionais da construção civil.


EPI

Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) são dispositivos utilizados para proteger a saúde e integridade física do trabalhador, tais como: luvas, máscaras de proteção, capacetes e botas de segurança.


NR

As Normas Regulamentadoras são responsáveis por estabelecer regras e fornecer orientações a respeito dos procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho. Hoje existem mais de 30 NRs que visam à segurança do trabalho.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Benefícios ao investir em Segurança do Trabalho




Investir em Segurança do Trabalho é promover o bem estar físico, mental e social dos trabalhadores com retorno certo em produtividade, redução dos gastos, valorização da marca e credibilidade da empresa. Investir em Segurança do Trabalho é garantir o sucesso do seu negócio!


Redução de acidentes:
O principal objetivo da Segurança do Trabalho é garantir a prevenção dos acidentes que prejudicam a integridade física e mental do trabalhador.

Organização:
Permitir que a empresa crie uma logística que demonstra a preocupação e o cuidado com o funcionário. Esta organização garante um outro benefício que é a produtividade, uma vez que o colaborador se sente mais motivado para executar suas funções.

Menos gastos:
O trabalho preventivo gera menos custos com materiais e afastamentos ou ações judiciais. Um ambiente seguro inibe os riscos e mantém a atenção do funcionário da execução da tarefa, evitando prejuízos materiais e afastando os riscos de acidentes.

Ambiente de trabalho saudável:
Comprometimento da empresa com a saúde e bem estar de todo o quadro de funcionários; esse sentimento de cuidado e proteção gera um ambiente laboral saudável e propício a ideias e relações interpessoais.

Produtividade:
Funcionários motivados se empenham em alcançar a produtividade estabelecida pela direção da empresa. Além disso, a eliminação dos riscos mantém o foco na execução do trabalho prestado.

Qualidade:
Funcionários que percebem que estão realizando um trabalho de forma segura, produzem com qualidade. Isso porque prazos são mais respeitados e por consequência seu cliente final fica extremamente satisfeito.

Credibilidade:
A redução de acidentes e ocorrências envolvendo a imagem da empresa garante a credibilidade corporativa da instituição, numa demonstração de responsabilidade social.

Oportunidade:
O treinamento de segurança do trabalho pode ser uma grande oportunidade para realizar uma integração com todos os colaboradores, a fim de expor o compromisso da empresa com a segurança e demonstrar os objetivos e metas da empresa.



quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Entenda o Limite de Tolerância de Exposição para Ruído



A perda auditiva induzida por exposição ao ruído ocupacional é uma das doenças mais comuns que estão associadas ao ambiente de profissional. Além disso, um local de trabalho muito barulhento pode causar perturbações do humor, aumento da pressão arterial e até estresse elevado.

Qual é o limite de tolerância para exposição a ruído?

Os limites de tolerância para ruído podem variar de acordo com o tempo a que o trabalhador fica exposto ao som, podendo ir de 85 decibéis para quem fica 8 horas diárias em locais com alto nível de ruído a 115 decibéis para quem fica apenas 7 minutos exposto. Se, ao longo da jornada de trabalho ocorrerem dois ou mais períodos de exposição a ruídos de diferentes níveis, é preciso combinar os dados de cada tipo de ruído e tempo de exposição.


Como reduzir os problemas de exposição a ruído

Diretamente na fonte de ruído

Se possível, reduzir o barulho emitido por equipamentos e máquinas de grande porte, o que pode ser feito por meio de manutenção periódica, lubrificação adequada e redução da quantidade de máquinas funcionando ao mesmo tempo.

Mudanças no local de trabalho

É importante trabalhar estratégias para que os ruídos sejam isolados e devidamente absorvidos. Para isso, é recomendado construir barreiras com cortiças, lãs, vidros ou paredes de alvenaria.

Cuidados com o trabalhador

A empresa deve fazer o possível para proteger o colaborador do problema e acompanhar a saúde de todos. O uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) é primordial para minimizar o impacto dos ruídos aos ouvidos, com a ajuda de protetores auriculares, fones de absorção de ruídos e outros materiais que suavizam os sons.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Entenda como Funciona o Descarte de EPIs



O descarte de EPIs usados também é uma responsabilidade das empresas. É preciso que a empresa defina uma rotina de fiscalização que faça parte da política de Segurança do Trabalho. Os EPIs devem ser vistoriados diariamente, de modo a garantir que nenhum dispositivo seja utilizado sem estar com as condições adequadas para que todas as suas funcionalidades estejam garantidas.

Algumas variáveis devem ser levadas em consideração como o vencimento da validade do CA, o fim da validade do equipamento, presença de danos irreparáveis, rachaduras, furos e peças perdidas que são fundamentais para o funcionamento do equipamento.

O descarte de EPI que foram expostos a algum tipo de contaminação — seja por radioatividade ou exposição a produtos químicos devem obedecer alguns procedimentos, o equipamento deve ser descartado separadamente e colocado em uma sacola de plástico colorida que o identifique como um material perigos. A separação de acordo com o tipo de material é importante no sentido oferecer informações sobre o destino correto desses materiais para que possam ser reciclados, visando seu retorno à cadeia produtiva na forma de insumos.

Quanto aos equipamentos que não oferecem os riscos, o descarte pode variar de acordo com os materiais de que são feitos e, em alguns casos, podem até ser descartados como lixo comum. Materiais como luvas, macacões e outros tipos de vestimentas ligadas à segurança devem ser inutilizados, de modo a evitar contaminações e proliferação de doenças.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

7 Dicas de Prevenção Contra Choques Elétricos




* Sempre utilize Equipamentos de Proteção Individual: luvas e sapatos de borracha, capacete, capa protetora e óculos de proteção são os indicados para contato com correntes elétricas;

* Use apenas materiais elétricos de qualidade;

* Garanta que os profissionais sejam o mais qualificados possível;

* Realize treinamentos de CIPA e cursos para os profissionais;

* Desligue sempre os disjuntores antes de realizar qualquer serviço;

* Não ligue muitos equipamentos em uma mesma tomada;

* Durante a realização da limpeza dos ambientes dentro das empresas, retire máquinas e equipamentos da tomada.


É muito importante que as empresas estejam de acordo com a Norma Regulamentadora de número 10 (NR 10), que é responsável justamente por determinar as condições adequadas para garantir a segurança e a integridade física do trabalhador que executa funções relacionadas a instalações elétricas. Conheça o uniforme de eletricista definido pela NR 10 e proteja-se!