terça-feira, 28 de maio de 2019

5 cuidados para a segurança no canteiro de obras




Trabalhadores que atuam em canteiros de obra estão, ao longo de sua jornada de trabalho, frequentemente expostos a riscos sérios — que vão desde simples tropeções, a choques elétricos, possibilidade de sofres quedas ou até mesmo de cair de um nível para outro. Para minimizar esses problemas, é fundamental que a segurança no canteiro de obras siga padrões específicos que garantam a segurança dos profissionais.

De acordo com dados do Anuário Estatístico da Previdência Social, a construção civil está entre as profissões mais perigosas que existem, sendo também uma das mais letais. Com base nessas informações, não há como ignorar os riscos mais comuns da construção civil e deixar de prezar pela segurança dos trabalhadores.

Cuidados importantes para garantir a segurança no canteiro de obras

Planeje

O primeiro passo para evitar acidentes de trabalho no canteiro de obras consiste em fazer um planejamento prévio para que eles não aconteçam. Isso significa que é necessário incluir no orçamento os gastos com segurança, além de realizar uma Análise de Riscos da obra em questão.

Siga as normas de segurança

Existem Normas Regulamentadoras para praticamente todos os setores de atuação profissional, e a construção civil certamente não fica de fora. É importante que a empresa avalie quais delas se aplicam a seu trabalho, seguindo-as corretamente. A NR 35, por exemplo, diz respeito ao trabalho em altura, enquanto a NR 6 exige o uso de Equipamento de Proteção Individual. Ambas devem ser seguidas dentro de um canteiro de obras, portanto estude-as atentamente.

Invista na conscientização

Apenas fornecer os EPIs não é uma ação que garante a prevenção de acidentes, especialmente se os trabalhadores não entendem a importância de usá-los. Nesse sentido, cabe à empresa fazer uma campanha de conscientização que incentive e estimule a cultura de segurança do trabalho.

Fiscalize

Depois de informar, é necessário fiscalizar a atuação dos colaboradores para verificar se algum deles ainda está deixando a segurança na obra em segundo plano. Punir o não cumprimento das normas também faz parte da manutenção de um ambiente seguro.

Invista em bons equipamentos e manutenções preventivas

Tanto os EPIs quanto os demais dispositivos utilizados pelos funcionários devem ter qualidade certificada. Por mais que a empresa e os colaboradores estejam seguindo todas as orientações de maneira correta, um acidente ainda pode acontecer por conta da presença de máquinas ou materiais inadequados. Vale lembrar que até os equipamentos de boa qualidade necessitam de manutenção preventiva para garantir que nada esteja inadequado para uso.

terça-feira, 21 de maio de 2019

Importância e função do cinto de segurança para obra



Os Equipamentos de Proteção Individual, popularmente identificados pela sigla EPI, são itens obrigatórios e que garantem a segurança dos trabalhadores durante a realização de suas atividades dentro de uma empresa. A principal função desses equipamentos é manter a saúde, o bem-estar e a segurança dos profissionais enquanto presta determinado serviço para seu empregador.

As empresas têm a obrigação de fornecer EPIs adequados e de qualidade para todos os seus trabalhadores. Itens danificados ou com problemas não devem ser utilizados pelos funcionários que, por sua vez, têm o direito de exigir que a empresa compre novos equipamentos que estejam em condições de cumprir com sua função de garantir a proteção de todos.

Cinto de segurança para obra

Os cintos de segurança para trabalho em altura são um tipo de Equipamento de Proteção Individual utilizado principalmente em obras e construções, bem como demais locais que exigem que o profissional fique a mais de dois metros do chão para exercer suas funções — seja em plataformas, andaimes ou até mesmo dentro de escavações, poços e minas.

Esse tipo de trabalho oferece um alto risco ao funcionário, que está sujeito a sofrer quedas e suas consequências. Para garantir a segurança dos empregados e evitar acidentes, existem diversas Normas Regulamentadoras para trabalho em altura, que estabelecem os procedimentos e requisitos essenciais para a segurança e saúde do trabalho.

A Norma Regulamentadora de número 6 (NR 6) é responsável por determinar a necessidade de utilização dos EPIs para trabalho em altura. Além do cinto de segurança, outros equipamentos obrigatórios para essas situações são: a cadeira suspensa, o trava quedas, o talabarte e o mosquetão. A necessidade de utilização destes equipamentos varia de acordo com a função a ser realizada e as características do ambiente.

O cinto de segurança para obra é indispensável em todos os trabalhos que podem ser classificados como “em altura”. Esses EPIs são produzidos com material sintético e peças metálicas, podendo suportar o peso de uma pessoa com tranquilidade e segurança.


terça-feira, 14 de maio de 2019

Importância de manter a higienização de botas de segurança



As botas de segurança são Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) que protegem os membros inferiores do usuário, e são indicados para atividades profissionais que podem deixar os pés do colaborador expostos a calor ou umidade excessivos, agentes cortantes, queda de objetos ou respingos de produtos químicos.

Assim como acontece com todos os tipos de EPI, a utilização dos calçados de segurança é obrigatória para todas as situações em que há risco para a saúde e/ou segurança dos membros inferiores do trabalhador. De acordo com a Norma Regulamentadora de número 6 (NR 6), é dever da empresa disponibilizar os dispositivos de proteção e orientar seus funcionários a respeito da forma correta de utilizá-los.

Ainda segundo o que determina a NR 6, cabe aos colaboradores sempre utilizar o EPI corretamente e para a finalidade a que ele se destina, além de responsabilizar pela conservação do equipamento. Isso significa, entre outras coisas, que faz parte dos deveres do colaborador se preocupar com a higienização dos EPIS, um processo que deve ser feito sempre de maneira cuidadosa para que o dispositivo não seja descaracterizado ou sofra avarias.

Qual a importância de higienizar botas de segurança?

A higienização é fundamental para todos os tipos de EPI, mas no caso das botas ela se torna ainda mais importante por ser um equipamento que pode acumular umidade, fungos e bactérias. Isso significa que a falta de higienização adequada pode fazer com que o dispositivo perca sua utilidade em curto tempo, exponha os pés do trabalhador a possíveis infecções e micoses e ainda desenvolver um odor desagradável.

Além da higienização em si, é recomendado que o trabalhador não utilize as botas diretamente nos pés, mas com meias de algodão que podem absorver a transpiração e ajudar a prevenir contaminações. Se possível, o ideal é que cada funcionário tenha dois pares de botas à sua disposição, de forma que ele possa alternar seu uso e manter um par “respirando” após um dia de uso.

Como higienizar as botas de segurança?

A forma correta de higienizar este EPI pode variar de acordo com cada um dos tipos de calçado de segurança e do material que compõe o equipamento. As botinas de segurança feitas de couro, por exemplo, não devem ser lavadas diariamente para evitar o ressecamento do material. Neste caso, o ideal é que a limpeza seja feita com pano úmido. Os calçados de PVC e os de microfibra, por sua vez, podem ser lavados. Vale lembrar, entretanto, que é essencial que o dispositivo seque por completo antes de ser usado novamente.


terça-feira, 7 de maio de 2019

Principais ferramentas usadas para cortar madeira




O corte de madeira é uma das principais etapas do processamento desta matéria-prima largamente usada em estruturas, móveis, utensílios e diversos outros bens de consumo. Existem diversas ferramentas que se destinam a cortar e processar a madeira, e conhecer cada uma delas é importante para saber escolher a mais adequada para seu trabalho e adotar os cuidados adequados para sua segurança.

Principais ferramentas para cortar madeira

Serrote

O serrote é uma ferramenta para corte de madeira que possui uma lâmina larga, dentes afiados e travados, utilizada preferencialmente por carpinteiros.

Serra de arco

Popularmente conhecida como segueta, a serra de arco é indicada para madeiras, compensados, plásticos e metais.

Serra de fita

A serra de fita é uma ferramenta elétrica capaz de realizar cortes retos ou irregulares, produzindo resultados em formatos variados, inclusive com ondulações ou círculos.

Serra de esquadria

Utilizada para o corte de madeiras em diferentes ângulos, a serra de esquadria é indispensável para diversos segmentos.

Serra circular

É dotada de um disco ou uma lâmina metálica, podendo ser apresentada em diversos tipos de serra circular, sendo que as dotadas de mais dentes são mais adequadas a trabalhados mais minuciosos.

Motosserra

É a ferramenta mais adequada para a extração da madeira, e serve para cortar e podar árvores.

Broca chata

A broca chata para madeira geralmente é fabricada com aço carbono, dotado de três arestas de corte e afiação especial. Com um tratamento térmico especial, a broca chata tem melhor performance na perfuração de madeiras secas ou úmidas.

Serra tico-tico

Adequada a pequenos reparos em madeira e outros materiais, as serras tico tico são geralmente utilizadas para cortes realizados em bancadas.

EPIs necessários para lidar com madeira

É fundamental que os profissionais sempre usem Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para trabalhar com ferramentas de corte, de modo a evitar cortes e perfurações de variados níveis de gravidade. Os principais EPIs nesse caso são:

* Óculos de proteção;
* Luvas de segurança;
* Capacete;
* Uniforme;
* Protetor auricular.