terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Higiene Ocupacional




A higiene ocupacional tem como objetivo prevenir, reconhecer, avaliar e controlar os riscos ocupacionais que podem ocasionar doenças ocupacionais.

A antecipação do risco

Essa fase tem como objetivo realizar a avaliação de riscos potenciais e estabelecer medidas preventivas antes que um determinado processo industrial seja implementado ou modificado.

O reconhecimento do risco

É onde se dá início a avaliação qualitativa da identificação dos riscos ambientais que podem afetar a saúde e integridade do colaborador.

Nesta fase realiza-se um estudo sobre as matérias-primas, produtos e subprodutos, métodos e procedimentos de rotina, processos produtivos, instalações e equipamentos existentes.

A avaliação do risco

Já está é onda há início da avaliação quantitativa dos riscos, nesta fase leva-se em consideração os limites de tolerância, estabelecidos pela norma regulamentadora 15.

Limite de tolerância: “Concentração ou intensidade, máxima ou mínima relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará danos à saúde do trabalhador durante sua vida laboral.”

O controle do risco.

Esta fase está associada a minimização ou eliminação dos riscos, antecipados e reconhecidos e avaliados no ambiente de trabalho.


O que são riscos ocupacionais?

Riscos ocupacionais são danos em potencial a saúde e integridade do colaborador classificados em: riscos físicos, químicos, biológicos, acidente e ergonômico.

Risco Físicos

São aqueles gerados por máquinas ou condições físicas do ambiente de trabalho.

Ex: Ruídos, Vibrações, Radiações Ionizantes, Radiações Não Ionizantes, Frio, Calor, Pressões Anormais, Umidade.

Risco Químicos

São eles provenientes de substâncias químicas em seu estado líquido, solido ou gasoso. Quando absorvidos pelo organismo pode gerar reações tóxicas ao trabalhador.

Ex: Poeiras, Fumos, Névoas, Neblinas, Gases, Vapores Substâncias compostos ou produtos químicos em geral

Riscos Biológicos

São eles causados por microrganismos capazes de causar doenças devido a contaminação e pela natureza do trabalho.

Ex: Vírus, Bactérias, Protozoários, Fungos, Parasitas e Bacilos.

Riscos Ergonômicos

São eles provenientes do mau uso das técnicas de ergonomia a qual estabelece parâmetros que permitem a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.

Ex: Esforço físico intenso, Levantamento e transporte manual de peso, Exigência de postura inadequada, Controle rígido de produtividade, Imposição de ritmos excessivos Trabalhos em turno noturno, Jornada prolongada, Monotonia e Repetitividade, Stress físico ou psíquico…

Riscos Mecânicos ou de Acidente

Estes ocorrem em função das condições físicas do ambiente (físico de trabalho) e tecnológicas impróprias que coloca em risco a saúde e integridade do trabalhador.



Ex: Arranjo físico inadequado, Máquina e Equipamentos sem proteção Ferramentas inadequadas ou defeituosas, Iluminação inadequada Eletricidade, Probabilidade de incêndio ou explosão, Armazena- mento inadequado, Animais Peçonhentos, Outras situações de riscos que podem provocar acidentes…

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Saúde e Segurança nos Escritórios



Condições de segurança nos escritórios

Dentre os fatores que devem ser analisados dentro do escritório estão:

Condições em relação à ergonomia (mobiliário adequado);

Normalmente as consequências relativas à má ergonomia nos ambientes de escritórios aparecem a longo prazo, isso porque em um primeiro momento, o posicionamento inadequado pode parecer inocente, porém esta condição pode encadear doenças ocupacionais como LER (lesão por esforço repetitivo) e DORT (Doenças Osteoarticulares relacionadas ao trabalho).

A ergonomia também trata de assuntos como a iluminação e a exposição aos ruídos, que também são responsáveis pela geração de doenças ocupacionais.

Cuidados com equipamentos eletrônicos e manutenção;

Deve-se ter cuidado com a sobrecarga dos sistemas elétricos, sempre verificar o aterramento das tomadas para cada equipamento, não deixar fios de eletricidade expostos, realizar a manutenção quando necessário e sobretudo evitar improvisações.

É obrigatória a contratação de um profissional proficiente para realizar as manutenções e reparos dos sistemas elétricos, tentar resolver por contra própria também pode dar margem à acidentes.

Conscientização dos riscos e ações preventivas

Além dos cuidados que exigem o acompanhamento de profissionais para análise do ambiente, existe também a necessidade da conscientização dos riscos e das ações preventivas, por exemplo, não deixar objetos cortantes fora do lugar, não colocar objetos no meio do caminho onde as pessoas passam, colocar sinais de “piso molhado” quando o chão estiver secando e outros cuidados para prevenção de acidentes.

Benefícios da saúde e segurança nos escritórios

Um ambiente saudável e seguro proporciona ao funcionário bem-estar, produtividade e satisfação com seu trabalho.

O empregador é responsável por garantir as condições de saúde e segurança do ambiente de trabalho e o empregado de ter a consciência dos comportamentos de risco, que podem levar à acidentes e doenças.


Os dois cumprindo os seus papéis ajudam na prevenção de acidentes de doenças.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Fita Isolante de Alta Tensão: Como Usar e sua Importância



A fita isolante de alta tensão é um produto mais reforçado do que a fita isolante comum, apresentando uma elevada resistência a cargas elétricas e desgastes físicos como movimentação e tração. Além disso, ela é extremamente resistente a produtos químicos.

Fita isolante de alta tensão: para que serve?

As fitas isolantes de alta tensão são utilizadas principalmente em emendas e terminações de cabos de baixa, média e alta voltagem, sendo também indicadas para a realização de pequenos reparos em mangueiras que passam fluidos como água, ar e óleo, além de vedações em geral, isolamentos elétricos e fixações.

Uma das principais características deste tipo de material é sua capacidade de isolamento em casos de tensões elevadas e sua variedade de aplicação, podendo ser colocado em superfícies de metal, plástico, madeira e couro.

A fita de alta tensão possui um isolamento elétrico de 69 mil kV, enquanto a fita isolante comum possui um limite de tensão de 750V. Claro que esse número depende de como e onde a fita é utilizada e, por isso, é fundamental que ela seja aplicada em diversas camadas para que se fundam e criem um isolamento que garanta maior durabilidade e resistência.

É recomendado ainda que, após a sua aplicação, seja acrescentada uma camada de fita isolante para proteger o material e deixá-lo ainda mais firme e seguro. Além disso, é imprescindível que a aplicação seja feita por um profissional altamente capacitado e que esteja utilizando os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) adequados para evitar qualquer tipo de risco, especialmente os relacionados a choques elétricos.

Exemplos de uso da fita de alta tensão

Isolamento de cabos de potência elétrica de 69kV;

Vedação contra umidade;

Proteção contra a penetração de umidade pelas pontas da fita;

Proteção de cabos de ferramentas profissionais;

Isolante elétrico nas emendas e terminações de cabos que suportam temperaturas de 140ºC, em regime de emergência.

Qual a importância do uso da fita isolante de alta tensão?

O uso desse tipo de fita é muito importante para a segurança do trabalho, pois ela pode se adaptar a qualquer superfície e por possuir um filme protetor que se destaca automaticamente com o alongamento da fita, possibilitando maior economia de tempo, excelente rendimento e agilidade na aplicação. 

Pode ser alongada em 100%;

Possui maior aderência e vedação;

Resistente a umidade e substâncias químicas;

Maior durabilidade se fixado junto com a fita isolante comum;

Fácil remoção;


Alto poder de isolamento.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Diferença entre Insalubridade e Periculosidade



Apesar dos termos serem bem parecidos, existem diferenças entre insalubridade e periculosidade que devem ser consideradas pelo empregador no momento do registro e contracheque.

Atualmente, muitos trabalhadores atuam sob condições insalubres ou de periculosidade, de acordo com a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), a insalubridade é caracterizada quando o empregado está exposto, durante o dia a dia de trabalho, a agentes nocivos à saúde como produtos químicos, ruídos, exposição ao calor, dentre outros.

 Já a periculosidade está relacionada ao risco de vida em que o trabalhador fica exposto para executar sua função.

Um exemplo são os colaboradores que atuam com explosivos e radioativos, segurança pessoal ou patrimonial.

Particularidades do trabalho perigoso

A periculosidade é determinada pelo risco iminente de morte durante o trabalho.

A permanência constante ou habitualidade não é relevante para a caracterização da periculosidade, uma vez que, poucos minutos submetidos a condições perigosas são suficientes para fazer com que o empregado fique inválido ou esteja sob risco de vida.

 O trabalho em situações perigosas garante ao trabalhador um adicional de 30% incidente sobre o salário-base, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participação nos lucros da empresa.

São consideradas atividades ou operações perigosas, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a:

Inflamáveis,

Explosivos ou Energia Elétrica;

Roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial.

São periculosas as atividades ou operações, onde a natureza ou os seus métodos de trabalhos configure um contato com substâncias inflamáveis ou explosivos, substâncias radioativas, ou radiação ionizante, ou energia elétrica, em condição de risco acentuado.

Particularidades do trabalho insalubre

O trabalho insalubre é aquele que coloca em risco a saúde, o bem-estar e a integridade física e psíquica do funcionário.

Esse tipo de exposição é regulamentado pelos artigos 189 e 192 da CLT e pela Norma Regulamentadora (NR-15) do Ministério do Trabalho e Emprego.

O funcionário que atua em condições insalubres tem direito a um adicional que varia entre 10% e 40% do salário mínimo, dependendo do grau de insalubridade a que está exposto: mínimo, médio e máximo.

São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem:  acima dos limites de tolerância previstos nos anexos à NR-15 de números:

1 - (Limites de Tolerância para Ruído Contínuo ou Intermitente);

2 - (Limites de Tolerância para Ruídos de Impacto);

3 - (Limites de Tolerância para Exposição ao Calor);

5 - (Limites de Tolerância para Radiações Ionizantes);

11 - (Agentes Químicos cuja Insalubridade é caracterizada por Limite de Tolerância e Inspeção no Local de Trabalho);

12 - (Limites de Tolerância para Poeiras Minerais).

Nas atividades mencionadas nos anexos números:
6 - (Trabalho sob Condições Hiperbáricas);

13 - (Agentes Químicos);

14 - (Agentes Biológicos).

Comprovadas através de laudo de inspeção do local de trabalho, constantes dos anexos números:

7 - (Radiações Não Ionizantes);

8 - (Vibrações);

9 - (Frio);

10 - (Umidade).

Semelhanças entre a insalubridade e periculosidade

A insalubridade e a periculosidade também possuem semelhanças, pois, ambas, colocam o trabalhador em condições de risco.

Para que os problemas sejam amenizados, é importante que o empregador assegure e verifique a utilização de equipamentos de segurança e promova medidas que diminuam ou eliminem as ameaças do local de trabalho.

Oferecer cursos e treinamentos também é obrigação do gestor e podem contribuir para um ambiente mais seguro e saudável para toda a equipe.

Compliância no trabalho perigoso e insalubre

Para que uma companhia siga rigorosamente todas a leis e normas que regem a segurança no ambiente de trabalho, é imprescindível que haja a contratação de uma equipe especializada em Segurança e Medicina do Trabalho.

Através de uma perícia especializada, a empresa poderá identificar as atividades e classificar o grau de periculosidade ou insalubridade.

Os riscos estão presentes em todos os ambientes laborais – inclusive aqueles que não imaginamos como um simples escritório.

 Uma consultoria garante a redução dessas ameaças e assegura a produtividade da empresa.


Vale lembrar que, embora os adicionais de insalubridade e periculosidade tenham causas distintas, eles não podem ser recebidos juntos, conforme o entendimento majoritário do TST.


Assim, se o trabalhador estiver sujeito a condições insalubres e perigosas, ao mesmo tempo, ele terá direito a receber somente aquele adicional cujo valor for mais alto.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Importância do Treinamento de Segurança do Trabalho



Padronização de hábitos.

“Você chega em uma empresa nova e começa a aprender os processos, certo?”
Então, você começa a realizar as atividades não só do jeito que te explicaram, mas também a partir do exemplo de seus colegas que estão ali a mais tempo.
Se esta é uma empresa que não realiza treinamentos, certamente poderão ser encontrados processos não padronizados e cheios de hábitos errados. Isto porque a tendência com o passar do tempo, é de se acomodar com a atividade e é desta forma que são criados novos hábitos, que muitas vezes são realizados de forma automática e despercebida.

O treinamento também é uma ferramenta para padronizar os processos e isto não é diferente para a segurança do trabalho. Afinal, a lei não foi criada apenas para gerar multas nas empresas.

O Ministério desenvolve leis para estabelecer requisitos mínimos de segurança, que por sua vez padronizam os processos das atividades com risco. Dessa forma, a probabilidade de desenvolver o hábito errado é menor, o que garante que o exemplo certo será seguido.

Conhecendo os riscos presentes no ambiente

Com os treinamentos de segurança do trabalho o trabalhador estará capacitado para identificar, analisar e entender as medidas de controle dos riscos presentes em seu ambiente.

É claro que ele sozinho não irá decidir sozinho qual medida de controle tomar, porém, temos sempre que lembrar que o trabalhador é a pessoa que mais entende de como a atividade é realizada, já que desenvolvem ela diariamente.

Por isso, o trabalhador capacitado, além de se prevenir os acidentes, poderá auxiliar o supervisor ou responsável da área a analisar sua tarefa e escolher a melhor maneira de evitar/controlar ou até eliminar os riscos apresentados.

Compromisso com seus direitos e deveres

O treinamento de segurança do trabalho transparece os direitos e deveres, tanto dos colaboradores como dos empregadores.

Desta forma, é desenvolvido o compromisso com a segurança, onde todos estão cientes de como agir e quais serão as consequências se não. Já falamos aqui da importância do compromisso com a segurança neste post. 

Oportunidade para desenvolver a cultura de segurança

A cultura de segurança nada mais é que “o jeito que fazemos aqui”, isto envolve principalmente os hábitos da organização, que felizmente podem ser alterados!

Os treinamentos de segurança promovem a cultura de segurança na empresa, mas isto não acontece se não houver o compromisso, como falamos anteriormente. Você poderá entender melhor no artigo “O papel do treinamento da gestão SSO”.

Qualidade de vida no trabalho

Quem não busca qualidade de vida no trabalho? Afinal, é onde passamos a maior parte do nosso tempo. Os treinamentos de segurança proporcionam isto porque o trabalhador se sente seguro e protegido, principalmente quando há bastante envolvimento da empresa em outras áreas da segurança, fora do obrigatório, como por exemplo, cursos para o desenvolvimento de uma cultura de segurança forte.

Confiança e engajamento com a empresa

Com o envolvimento da empresa nos programas e treinamentos de segurança, é altamente provável que a confiança aumente entre os colaboradores e a empresa. Uma empresa que gera confiança pode se surpreender com o aumento do engajamento dos colaboradores.

Conclusão


Todos os itens anteriores vão além do objetivo principal dos treinamentos de segurança que é a prevenção de acidentes. De qualquer forma, os treinamentos de segurança como a das NR’s são obrigatórios e devem ser oferecidos pela empresa.