terça-feira, 31 de julho de 2018

Medidas de Segurança para Trabalho a Quente



Soldadores, mecânicos são alguns dos profissionais que trabalham em áreas ou equipamentos que produzem centelhas ou geram aquecimento, sendo por isso classificados como profissionais de trabalho a quente. A área é reconhecida pela Norma Regulamentadora de número 34 (NR 34), que trata das condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção e reparação naval.

Diversas empresas — especialmente oficinas, fábricas e coletoras — realizam atividades com máquinas e equipamentos que produzem chamas abertas e aquecem seu interior, afetando a temperatura do espaço onde os trabalhadores executam sua rotina profissional. Por esta situação oferecer riscos ao trabalhador, é fundamental que as empresas sigam um padrão de segurança que ajudem a prevenir acidentes de trabalho.

Vale destacar que, no trabalho a quente, o risco de ocorrerem explosões e incêndios é grande, e é necessário que as empresas ofereçam todo o suporte para evitar que esses acontecimentos ocorram. Algumas medidas simples podem ser usadas pelas organizações para que seus funcionários saibam como agir durante o processo ou caso aconteça algum imprevisto.

Principais medidas de segurança para trabalho a quente

Criação de um programa de segurança

Embora a maioria das normas técnicas possa oferecer medidas de segurança, o ideal é que cada empresa tenha seu modelo de prevenção. Isso porque cada empresa estabelece uma forma específica de trabalho: algumas usam maçaricos, enquanto outras possuem caldeiras, e existem ainda as que trabalham com técnicas de soldagem. Ao montar um plano de segurança que esteja de acordo com a realidade da organização, fica mais fácil de identificar problemas e encontrar formas de solucioná-los.

Monitorar o trabalho

Uma grande vantagem do trabalho a quente é que ele é mais propenso a ser monitorado. Nesse sentido, equipes de trabalho que vistoriam cada setor podem ser criadas para verificar se os profissionais estão adotando medidas de segurança — como o uso dos Equipamentos de Proteção Individual adequados e obediência às normas preestabelecidas.

Oferecer treinamentos

Treinar os profissionais que lidam diretamente com o trabalho a quente talvez seja a recomendação mais importante para este tipo de atividade. O correto manuseio dos materiais, a adoção de técnicas de segurança, o conhecimento das ações contra possíveis incêndios, a prestação de primeiros socorros e outros aspectos essenciais da segurança precisam ser devidamente informados aos trabalhadores e praticados a ponto de se tornarem parte do dia a dia.

Instalar sprinklers

Se o trabalho a quente está relacionado à geração de centelhas, atritos fortes ou aquecimento, é importante usar recursos para umedecer a área. Instale sprinklers no interior dos pavimentos da empresa para que sejam acionados em qualquer emergência. Além disso, instale mangueiras, extintores e reservatórios de água em locais estratégicos.

Manter a limpeza do local de trabalho

Evite que qualquer impureza permaneça no recinto. Poeira, dejetos de materiais, vestígios de substâncias tóxicas e outros poluentes precisam ser eliminados porque podem propagar as chamas mais rápido.

terça-feira, 24 de julho de 2018

6 Dicas de Segurança no Trabalho na Área Administrativa



Regulamentação

A primeira coisa que toda empresa deve fazer é garantir que está agindo dentro da regulamentação apropriada, disposta pelas normas de Segurança e Medicina do Trabalho da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Nesse sentido, os funcionários devem realizar exames periódicos, enquanto os gestores, quando convocados, devem comparecer às eleições da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).

Cuidados com a iluminação

Todas as fontes de iluminação do escritório e da empresa devem ser observadas e mantidas no nível adequado. Luzes defeituosas podem causar acidentes, sem contar que a baixa luminosidade pode prejudicar a visão dos funcionários. Quando lâmpadas queimarem, elas devem ser trocadas rapidamente, e as luminárias precisam de limpeza periódica.

Atenção às escadas

Ter fitas antiderrapantes instaladas nos degraus é importante para evitar quedas, especialmente considerando que muitas pessoas usam sapatos mais escorregadios. Além disso, todos devem utilizar o corrimão sempre que utilizarem as escadas.
Ainda que as medidas de prevenção contra incêndios façam parte das normas regulamentadoras da CLT, todos os colaboradores devem ficar atentos para o cumprimento completo dessas medidas. As sinalizações e o extintor, por exemplo, precisam permanecer desimpedidos.

Adoção de hábitos saudáveis

Acidentes de trabalho também estão relacionados com a saúde individual dos trabalhadores e, por isso, é importante que cada colaborador se previna contra os maus comuns desse setor. Como a digitação é muito frequente, o ideal é fazer pausas regulares, além de alongamentos dos braços e mãos. O período sentado deve ser passado com a coluna ereta, em cadeiras bem reguladas e confortáveis.

Também é de responsabilidade dos funcionários alguns hábitos higiênicos que impeçam a proliferação de doenças. Isso inclui não dividir copos ou talheres entre si, manter as mãos sempre limpas e não deixar o ambiente de trabalho bagunçado ou sujo demais.

Realização de reparos

Não é incomum que computadores ou outros equipamentos quebrem de vez em quando no escritório. A segurança do trabalho na área administrativa também inclui não agir sem permissão: se algo parou de funcionar, nenhum funcionário deve fazer reparos se não possuir especialidade para isso. O correto é que a empresa contrate alguém para resolver o problema.


terça-feira, 17 de julho de 2018

Investigação de Incidentes de Trabalho



A investigação de incidentes é uma ação fundamental para empresas que desejam estabelecer um ambiente de trabalho seguro e devidamente regulamentado. Nesse contexto, é importante primeiro ter em mente a diferença entre um acidente de trabalho e um incidente de trabalho.

Diferença entre acidente de trabalho e incidente de trabalho

De acordo com as leis trabalhistas do Brasil, a definição de acidente de trabalho é: evento ocorrido durante a execução de trabalho a serviço de uma empresa, seja dentro ou fora dela, que resulte em danos leves ou graves ao indivíduo e ao bem material. Em outras palavras, este é um episódio não planejado que termina em dano pessoal ou financeiro — tanto para o funcionário quanto para a empresa.

O incidente, por outro lado, é um “quase” acidente, ou seja: é uma ocorrência não planejada que poderia levar a um acidente. Para entender melhor a diferença entre acidente e incidente de trabalho, visualize o seguinte exemplo: em um escritório, um monitor entrou em curto circuito e soltou faíscas sobre a mesa. Se apenas isso aconteceu e ninguém se machucou, trata-se de um incidente. Por outro lado, caso as faíscas atinjam um funcionário ou causem um incêndio, é caracterizado um acidente de trabalho.

Com este exemplo em mente, é possível afirmar que a realização de uma investigação de incidentes no trabalho é a melhor maneira de prevenir os acidentes. Isso porque esta é uma ação que verifica possibilidades, garantindo a redução de fatores que poderiam levar ao perigo. Com base nos incidentes, é possível evitar os danos físicos aos colaboradores, bem como possíveis danos materiais à empresa.

Dicas para investigar um incidente de trabalho.

Converse

Quando um incidente ocorre no ambiente profissional, é comum que os colaboradores fiquem um tanto assustados. Com calma, converse com as testemunhas e entenda exatamente o que aconteceu. Quanto mais informações você conseguir coletar, melhor.

Simule

A partir dos dados obtidos por meio da conversa com as testemunhas, além de outras possíveis fontes (câmeras de segurança, por exemplo), faça uma simulação do ocorrido. Será uma reprodução segura, sem chances de que algo realmente sério aconteça. Para simular o exemplo que demos acima, por exemplo, o ideal seria expor um monitor sobre uma mesa com tudo do jeito que estava, e então pedir para que alguém informe exatamente onde as faíscas saíram.

Contextualize

Saber o que estava sendo feito antes do incidente também é importante, de modo que seja possível identificar se o problema está relacionado a um erro humano, defeito em um equipamento ou por fatores externos. Não se trata de encontrar culpados, mas de entender o que aconteceu e o motivo. Os resultados dessa busca serão úteis para a prevenção de futuros incidentes e acidentes.

Finalize

Elaborar um relatório é uma boa ideia para unir todas as informações coletadas. Além de listar o que foi encontrado, elabore sugestões de medidas preventivas a serem adotadas para evitar uma repetição do incidente. Se você estiver se reportando a um superior, esses dados são importantes para convencê-lo de que uma ou mais reparações são necessárias.

terça-feira, 10 de julho de 2018

NR-10



Primeiramente, a sigla NR-10 ou Norma Regulamentadora nº 10 foi aprovada pela Portaria nº 3.214, de 08 de Junho de 1978, cujo recebeu o título de Instalações e Serviços de Eletricidade.

Posteriormente, a norma regulamentadora nº 10 foi alterada pela Portaria nº 598 de 07 de Dezembro de 2004, cujo alterou o título para Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade.

A norma regulamentadora nº 10 (Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade) também possui base jurídica na Consolidação das Leis do Trabalho, especificamente na Seção IX do Capítulo V da CLT.

Objetivo da NR-10

A norma regulamentadora nº 10 tem como objetivo estabelecer os requisitos e as condições mínimas de implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, visando garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade.

Aplicação da NR-10

A norma regulamentadora nº 10 aplica-se nas fases de geração, transmissão, distribuição e consumo, incluindo as etapas de projeto, construção, montagem, operação, manutenção das instalações elétricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades, observando-se as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes e na ausência ou omissão destas, as normas internacionais cabíveis.

Somente poderá trabalhar em instalações elétricas os trabalhadores que possuírem treinamento específico sobre os riscos decorrentes do emprego da energia elétrica e das principais medidas de prevenção de acidentes em instalações elétricas, de acordo com o estabelecido no Anexo III da NR-10 (Treinamento).

Trata-se do curso básico da NR-10 e do curso de segurança no Sistema Elétrico de Potência (SEP), ambos com conteúdo de natureza multiprofissional e uma carga horária de no mínimo 40 horas.

terça-feira, 3 de julho de 2018

10 Dicas para Higienização e Conservação para seu EPI



1. Caso o EPI seja lavável, prefira sempre realizar a lavagem com sabão neutro;

2. Esteja atento para EPIs que devem ser higienizados com produtos específicos. É o caso de óculos de proteção, por exemplo;

3. Seque os EPIs na sombra, pois eles podem ser danificados quando expostos ao sol;

4. Tome cuidado para não derrubar o EPI durante a higienização, pois isso pode comprometer sua integridade;

5. Assim que utilizar o EPI, guarde-o corretamente em local seguro e livre de fatores potencialmente prejudiciais ao material do equipamento — como calor ou umidade;

6. Nunca guarde o EPI molhado ou úmido, pois ele pode criar mofo ou outras bactérias;

7. Nunca misture os EPIs com o seu vestuário;

8. Jamais utilize os calçados de segurança sem meias;

9. Se o EPI foi descartável, sempre faça o descarte em um local adequado;

10. Utilize pó anticéptico diariamente ao utilizar os calçados de segurança.

Dica importante: a higienização e conservação dos EPIs são ações que devem ser realizadas regularmente, e fazem parte da segurança do trabalho. Isso significa que é necessário que essas dicas sejam cumpridas adequadamente para garantir a eficiência dos equipamentos, além de promover a qualidade de vida do trabalhador.