terça-feira, 29 de outubro de 2019

Insuflador de ar para espaço confinado



Algumas atividades da indústria exigem que trabalhadores atuem
em espaços confinados que, justamente por não serem apropriados
para uma atividade laboral constante, oferecem uma série de
riscos para o empregado. Embora o Ministério do Trabalho não
apresente dados concretos, há registros de acidentes nesses locais
por uma série de motivos, como a deficiência de oxigênio, vapores
tóxicos e inflamáveis, soterramentos, alagamentos, explosões,
choques elétricos, dentre outros.

Nos últimos anos, com maior investimento em tecnologia e a
modernização de processos, empresas passaram a investir no
desenvolvimento de equipamentos modernos por dois motivos
principais. Em primeiro lugar não só para se adequarem a uma
série de normas estabelecidas pelos órgãos fiscalizadores, mas
também para garantir opções mais seguras para esse tipo de
trabalho.

No texto de hoje vamos falar um pouco mais sobre o que é o
insuflador de ar portátil, uma das principais ferramentas para
garantir a ventilação forçada em espaços confinados e suas
principais vantagens.

O que é insuflador de ar para espaço confinado?

Antes de entendermos o que é insuflador de ar e para que ele
serve, precisamos definir o conceito de espaço confinado no
trabalho. De acordo com a legislação trabalhista, esses locais
são quaisquer “áreas ou ambientes não projetados para
ocupação humana contínua, que possua meios limitados de
entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente”. Mas
como garantir segurança desses profissionais se a circulação
de ar é deficiente?

Como a ventilação natural nem sempre garante condições
mínimas de segurança nesses locais — já que é impossível
controlar velocidade, vazão e direção do ar —, a ventilação
mecânica é apontada como o método mais eficiente.

É aí que entra o insuflador de ar para espaço confinado,
que é um equipamento projetado para movimentar grande
volume de ar, garantindo a segurança de quem for operar
no local. Hoje em dia são duas as normas que regulamentam
esse tipo de serviço — a NBR 16.577 e a NR 33 — e ambas
exigem que, para qualquer tipo de trabalho realizado em
ambiente confinado, é necessário garantir a circulação de ar.

4 vantagens do uso do exaustor insuflador de ar.

1 - Controlar atmosferas tóxicas, asfixiantes e inflamáveis;
2 - Diminuição do tempo de limpeza da atmosfera no interior
do espaço confinado, como também ajudar no conforto térmico;
3 - Modelos axiais dupla função – Insuflação e Exaustão de
ar – com dutos flexíveis permitem movimentar e canalizar
grandes volumes de ar com superior pressão;
4 - São leves, portáteis e fazem o trabalho de grandes
exaustores de ar fixos.

Para quais tipos de trabalho eles são indicados?

Os espaços confinados podem ser galerias, tubulações,
tanques, silos ou digestores e são mais comumente
encontrados em atividades na indústria petroquímica,
agroindústria, óleo e gás, dentre outras. Muitas vezes é
preciso que um trabalhador entre nesses locais para realizar
a limpeza ou troca de peças, por exemplo.

Esses ambientes se caracterizam por terem entradas e saídas
total ou parcialmente fechadas, por não serem desenvolvidos
para garantir a circulação contínua de uma pessoa (mas grande
o suficiente para permitir que ela entre nele) e por apresentarem
riscos aos profissionais tanto por causa da própria construção
quanto por conta dos materiais e substâncias presentes ali dentro.

A NR33 estabelece uma série de medidas para reduzir os
riscos de acidente em espaços confinados, como:

- Limitar o acessos às áreas confinadas para evitar a entrada
de pessoas não autorizadas no local;
- Avaliar e controlar os riscos físicos, químicos, biológicos,
ergonômicos e mecânicos;
- Verificar condições de oxigenação no local antes da entrada
do trabalhador e durante sua permanência;
- Monitorar constantemente a atmosfera, utilizando a ventilação
mecânica do local, a fim de garantir a manutenção das
condições atmosféricas  adequadas (principalmente de
oxigenação) , tanto para o acesso quanto para a permanência
no espaço confinado.

Como funciona o insuflador de ar para espaço confinado?

Antes de uma empresa realizar um determinado trabalho em
espaço confinado e garantir a ventilação ou exaustão do local
é preciso realizar a Análise Preliminar de Risco (APR) e obter
a Permissão de Entrada e Trabalho (PET), apresentando as
características do serviço a ser realizado.

Dependendo dos detalhes de acesso ao espaço confinado, a
empresa pode optar por colocar o equipamento direto na
entrada ou por meio da instalação de um duto, ligando a área
confinada a um local externo.

Fique atento ao risco de explosão

Os estudos preliminares sobre as características do espaço
confinado podem indicar, por exemplo, se a atmosfera no local
oferece risco de explosão. Em espaços confinados (sobretudo
nas indústrias química, naval e petroquímica) não é incomum a
existência de gases tóxicos ou inflamáveis, além de outras
substâncias que podem agravar o risco de um incêndio ou
explosão.

Tendo isso em conta, é importante que você garanta que o
insuflador de ar seja certificado por órgãos de controle,
como o InMetro, para equipamentos à prova de explosão.
Verifique o rótulo do equipamento e documentação. E essa
certificação deve valer para todos os componentes do
insuflador de ar (certificação de unidade inteira), como a
carcaça, motor, interruptor, caixa de junção, prensa cabo,
chave liga desliga, hélice, cabos, plug de força, duto, dentre
outros. Ou seja todo o caminho elétrico está em conformidade,
diferente dos equipamentos que possuem somente o motor
elétrico certificado.

O que significa insuflador exaustor de ar?

Qualquer atividade realizada em espaço confinado necessita
de um equipamento que garanta ventilação mecânica — seja
ele um insuflador, seja um exaustor de ar. Mas qual a diferença
entre eles?

O insuflador é um equipamento que capta o ar de um ambiente
externo (aberto) e o direciona para o espaço confinado por
meio de um duto ou uma mangueira, garantindo nível aceitável
de oxigenação no local. Já o exaustor faz o caminho inverso e
capta o ar contaminado na área confinada e o descarrega no
ambiente externo. No caso da exaustão, como o ambiente
precisa de ar limpo, é necessário que haja alguma outra entrada
de ar no local, o que é dispensável no caso do insuflador.

A NBR 16.577, além de determinar que haja ventilação mecânica
em espaço confinado, também indica outros aspectos que devem
ser levados em conta na hora de escolher o equipamento que vai
garantir nível seguro de oxigenação aos trabalhadores.

Conforme a norma, é importante considerar geometria, volume,
número e tamanho das aberturas do espaço confinado, eventuais
interferências estruturais, além de poluentes que, porventura,
possam existir no local. Nesse caso, um estudo específico deve
indicar as propriedades, temperatura, pressão, vazão e ponto de
geração desse poluente para evitar explosões.

Outro aspecto que deve ser levado em conta no momento da
aquisição de um insuflador ou exaustor de ar é a fonte de energia
que vai alimentá-lo. Essa fonte pode ser pneumática, elétrica ou
à água e isso varia conforme o ambiente em que o serviço será
realizado. Embora a energia elétrica seja a mais utilizada, em
alguns locais mais remotos, onde essa fonte não existe ou é
muito difícil, é necessário que os equipamentos funcionem à
base de combustível ou mesmo ligados a uma bateria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário